3 Dicas simples para melhorar sua vida financeira

Olá pessoal, tudo bem com vocês? Hoje eu escrevo nesse post mais algumas dicas simples que quando praticadas fazem uma grande diferença em nossa vida financeira. Vamos começar?!


1 – Saiba para onde está indo o seu dinheiro


Você já parou para analisar a sua fatura do cartão de crédito? “Destrinchar” a sua fatura e saber para onde está indo o seu dinheiro? Essa é uma das – se não for a maior – obviedades mais negligenciadas por nós. Isso porque nós que costumamos usar nosso cartão de crédito/débito como principal forma de pagar nossas compras acabamos deixando aqueles pequenos valores – leia-se gastos fantasmas – lá acumulados na fatura e no final do mês quando ela vence nós simplesmente pagamos a conta sem verificar o extrato. “Nossa mas tudo isso? Tudo bem, vou pagar...” E assim acontece mês a mês sem que percebamos. E aqueles gastos que poderiam ter sido evitados ou pelo menos ter seu valor reduzido são deixados para trás. A falta de análise dos nossos gastos é um grande problema apontado pelos analistas financeiros, uma vez que nós temos tudo registrado lá no extrato, os dados podem ser consultados a qualquer momento, mas nós simplesmente não analisamos o significado daquilo tudo. Consequentemente, não sabemos para onde está indo nosso rico dinheirinho. Faça essa visita a seu extrato do cartão e depois pergunte-se: quais os gastos poderiam ser evitados/reduzidos? Essa dica tão simples pode ser surpreendente para você.


2 – Vai parcelar? Faça isso em no máximo 3x


Fazer o parcelamento de compras não é uma boa prática, isso porque nós nos acostumamos a achar que não conseguimos nunca juntar o dinheiro para comprar bens à vista. Em meio a conversas com colegas já ouvi a máxima “pobre só tem as coisas quando tem dívidas.” E isso é um grande problema, acredito até que pode ser considerada uma super crença limitante. Isso porque o fato de parcelar significa ter um meio de parcelar, podemos considerar isso como um cartão de crédito. E, as pessoas tem a falsa impressão que possuem mais dinheiro quando se tem um cartão de crédito, ou até mais de um, e acabam vivendo um degrau acima do que seu poder aquisitivo permite. Mas voltando ao foco da dica apresentada, quando nós parcelamos em 10x sem juros, temos uma tendência de achar que vai ser fácil pagar e acabamos contraindo outras dívidas. Por exemplo, supondo que temos um parcelamento de R$500,00 em 10x de R$50,00 aparentemente é “normal.” Esses R$500,00,00 diluídos dessa forma parecem mais fáceis de lidar, uma vez que R$50,00 por mês parece pouco. Mas aí a gente acha que consegue pagar R$50,00 tranquilo por mês e faz outra compra de R$500,00 parcelados em 10x. E de repente, ao longo do mês foram 10 compras divididas em 10x cada uma. E agora? Metade do salário vai para as compras do cartão de crédito que foram parceladas agora, sem contar com aquelas já passadas. Ou seja, virou tudo uma bola de neve e o controle sobre o dinheiro já foi perdido.

Quando se faz compras parceladas em até 3x nós conseguimos visualizar nossa vida dali em 3 meses e, portanto, temos uma projeção ao longo do tempo daquilo que estamos gastando e quando teremos mais dinheiro em conta para realizar sonhos, fazer investimentos, ou simplesmente poupar para reserva de emergência (em breve teremos mais sobre o tema reserva de emergência e investimentos no blog) e consequentemente, ter mais qualidade de vida.


3 – Pague a fatura do seu cartão de crédito em dia


Se falamos em obviedades que não aplicamos em nossas vidas, essa é uma das obviedades mais óbvias – desculpem o termo redundante – mas que nem sempre é levada a sério (infelizmente). Nós temos uma tendência a acreditar que problemas só acontecem com os outros, e que aquelas comprinhas de valores tão pequenos (tipo aqueles R$500,00 divididos em 10x de R$50,00) nãos serão difíceis de pagar. Mas de repente, a falta de planejamento ou não visualização dos nossos débitos faz com que nós não consigamos pagar tudo no seu devido tempo. E aí vem a bomba: Não pagar a fatura do cartão. Os juros do cartão de crédito (chamados de juros do rotativo) são os mais altos do mercado. Em maio de 2019 o Banco Central divulgou que os juros do rotativo estavam em cerca de 298,6% (Veja a matéria completa no link abaixo) e haviam sofrido uma pequena queda (imagina só, depois de uma queda ainda estava em tudo isso). Hoje, em agosto de 2021 não encontrei uma fonte segura para mostrar esses dados. Mas vejamos, quase 300% ao ano de juros, isso diluído em meses dá em torno de 25%. E os juros dos cartões são compostos, certo? Ou seja, juro sobre juro. Vamos ver um exemplo simples:


Se você tem uma dívida de 1000,00 hoje, sabe quanto estaria devendo em 5 meses?


Dívida: R$ 1000,00

Juros: 28% ao mês (valor hipotético)

Dívida em 5 meses: R$ 3431,05


Parece absurdo, não é? Mas para tudo existe uma explicação e agora não é o momento para falar sobre o porquê de os bancos cobrarem juros tão altos de nós, apenas que precisamos sim ter muito cuidado para não cairmos nas tentações do prazer imediato para termos controle sobre nossas finanças e consequentemente, mais liberdade de escolha.


Agora é com vocês, que tal começar a pensar nessas dicas e aplica-las em seu dia-a-dia?




Matéria completa sobre os juros do rotativo:

https://agenciabrasil.ebc.com.br/economia/noticia/2019-05/juros-do-rotativo-do-cartao-de-credito-cai-para-2986-ao-ano-em-abril

2 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo