Hi-TECH - E se o seu chefe for uma IA?


Highlight da semana de 01/12 a 07 de dezembro de 2021.


TEMA da semana:


E se o seu chefe for uma IA?


Durante essa semana recebi um link de vídeo do meu filho Gabriel da BBC News sobre o movimento anti-trabalho nos EUA (vale a pena ver o vídeo!). Vi isso como um desdobramento do movimento chamado a grande renúncia o qual já havia comentado por aqui em outubro. Bem, a revolta em relação às condições de trabalho e aos salários parece estar num ritmo crescente e muito dos grandes varejistas já estão com receio da figura que farão perante os shareholders nas vendas de Natal. O negócio está caminhando para algo suficientemente sério para que já se fale em criar uma CLT para os EUA. Como assim, o país onde as regras de emprego são quase totalmente livres (o que muitos brasileiros só descobrem o significado depois que chegam por lá...) pode estar sendo forçado a mudar esse ponto do tal do Capitalismo Selvagem? Eu, particularmente não sou muito fã de muitas regras, pois criam burocracia desnecessária e problemas, porém, ser "sem" regras também vira terreno fértil para abusos, então é preciso achar um meio termo. Por sinal, o atual capitalismo precisa achar vários novos "meio termos" para poder garantir tanto a sua sobrevivência como modelo econômico, tanto para dar a nós a possibilidade de viver além do simples sobreviver.


Muito se questiona sobre as causas dessa revolta! As causas podem ser muitas, mas, o que antes era visto como sendo devido às ajudas financeiras de Biden para a pandemia, parece ter mudado de figura, pois a maioria delas já terminaram e o movimento continua firme e forte. Pode ser que a razão tenha sido, pelo menos em parte, a reflexão forçada que a pandemia impôs a todos nós. Vale a pena passar pela vida apenas sobrevivendo, ou, é melhor lutar para conseguir algo minimamente digno como viver?


Diante do fenômeno anti-trabalho, onde os abusos dos chefes estão entre a maioria das justificativas, cabe uma reflexão que foi levantada no grupo Telegram do Incaas hoje pela manhã: "E se o seu chefe fosse uma IA?". Essa abordagem foi usada num artigo do Morse News, cuja leitura recomendo, onde é descrito que, nas várias organizações adotaram o tal do "data driven", ou seja, são orientadas a dados, é uma IA (analisando os dados) que toma as decisões e os humanos apenas "executam" (lembre-se que CEO significa Chief "Executive" Officer). A IA é, de fato, a chefe aqui, não seria? Poderia ser ela uma chefe menos abusiva que um chefe da espécie humana?


Para reforçar o lado executor dos humanos, o artigo lembra de algo que eu nunca tinha visto por esse lado: "Pense no Waze… Quem pensa e define o caminho e quem dirige o carro…?". Fiquei chocado (rsrsrs)! Realmente já estamos, há bastante tempo, tendo bots (robôs) como companheiros!


Para melhorar ainda mais essa salada de reflexões, que tal juntar o paradigma das empresas autogeridas de